Elementos de mixagem do Logic Pro X

Há muitos elementos que temos que ter em mente ao mixar. As DAWs (Digital Audio Workstation) como o Logic permitem simular um ambiente real no mundo digital. Mas é preciso pensar nos mesmos elementos e talvez até alguns a mais quando mixamos “in the box”. 
 

Uma das maiores habilidades e responsabilidades requeridas de um engenheiro de mixagem é promover uma mixagem que ajude a entregar o contexto emocional de uma peça musical. 
Ao mixar, pense que o áudio final terá uma imagem tridimensional, controlada fundamentalmente por 4 elementos:
1. Nível (Altura)
2. Equalização (Altura)
3. Panorâmica (Largura)
4. Efeitos baseados no tempo (Profundidade)

 

Nível
O nível é bastante simples, quando queremos ouvir algo mais alto, aumentamos o volume através de um botão ou fader. E, geralmente, os componentes mais perceptíveis da mixagem são os mais atraentes para o ouvinte. 

 

Equalização 
A equalização é realmente apenas um controle de nível mais detalhado que nos permite aumentar e reduzir os níveis em frequências específicas. É a forma mais fácil de moldar as faixas para que se encaixem e também adicionar personalidade e caráter às faixas individuais. A maioria dos equalizadores permitem controles independentes de três variáveis: amplitude, frequência central e largura de banda.

 

Panning ou panorâmica
Podemos pensar em nível e equalização como elementos verticais (para cima / para baixo), enquanto panning seria o elemento horizontal (esquerda / direita). O panning pode ser muito útil para elementos que se encontram na mesma faixa de frequência. Com o panning para direita ou esqureda, você pode separar os dois instrumentos ou efeitos e reduzir a chance de um som mascarar o outro e dificultar a audição.

 

 

Efeitos baseados em tempo
Os efeitos baseados no tempo formam o elemento de profundidade, ou seja, atuam no espaço de frente e de trás. Os efeitos baseados no tempo, como o reverb e o delay, podem fazer com que os sons pareçam mais distantes, ou, às vezes, mais amplos que numa gravação direta.

 

O que mais precisamos considerar na mixagem? 
Esses quatro elementos precisam estar muito claros no plano de mixagem geral, pois através de sua utilização será possível criar ou resgatar as emoções relacionadas à música que foi gravada, considerando também questões de estilo ou gênero musical. 

 

Isso leva para um questionamento que o engenheiro de mixagem tem que levar em consideração: 
1. Qual o tema da música? 
2. Quais emoções devem transparecer?
3. Qual mensagem o compositor quer passar aos ouvintes?
4. Como a mixagem pode ajudar a melhorar o resultado esperado pelo compositor?
5. O que se espera da reação do ouvinte? 

 

Esses são alguns dos questionamentos que devem fazer parte da pauta do produtor/engenheiro. Resumindo o que foi falado até aqui é que na mixagem as decisões criativas são tomadas e podem ser exploradas. Por isso, já falamos anteriormente em ter músicas de referência claras, tanto da parte do compositor/produtor, quanto do engenheiro de mixagem e, se esses papéis forem desempenhados por uma única pessoa, o que acontece atualmente com frequência, esta regra vale também. Não adianta só ter uma ideia do que se quer obter como resultado final, é preciso exemplificar para que o processo seja mais tranquilo e eficiente. 


Alguns gêneros específicos de música possuem características que precisam ser conhecidas pelos engenheiros de mixagem para que a música mixada possua aquela “cor” do estilo. 


Por exemplo, os estilos pop e rock geralmente enfatizam o vocal principal, a bateria e as guitarras. Já o hard rock e metal terá mais guitarras distorcidas, vocais guturais, tudo muito alto e sem profundidade. No hip hop e rap, enfatizam-se vocais secos na frente, graves tanto no bumbo quanto no baixo, transições de vocais. Na música latina, onde a brasileira está incluída, temos os componentes de percussão, principalmente nas músicas mais agitadas. O vocal também é enfatizado. Os demais elementos são menos ressaltados. Não há regras, portanto, há que se ouvir muita música e, no caso de engenheiros de som/produtores, ter seu próprio arsenal de referências, o que é muito útil principalmente quando o artista ou compositor não consegue expressar o que deseja atingir na mixagem. Para construção de um banco de referências de forma rápida, resgate algumas tracks de sua preferência, principalmente nos estilos que trabalha a maior parte do tempo e faça um projeto no Logic Pro X, igualando níveis e nomeando cada uma delas para posterior referência. 

 

Ajuste de nível 
Pelo que foi dito nos parágrafos anteriores, chegamos à conclusão que nem todos os instrumentos que compõem uma música precisam ser ouvidos o tempo todo. Uma mixagem que gera um resultado estático é aquela onde não há variação nos níveis dos instrumentos. Cria-se a energia desejada em determinado momento através de alterações sutis no nível. Muitas vezes, temos algo como uma fundação mais estática dos elementos comuns de uma música, tais como bateria, baixo e guitarra, e alguns elementos criam algo mais dinâmico. As alterações de nível dos instrumentos durante a mixagem gera uma mixagem dinâmica. Atualmente, isso acontece muito em shows, onde o engenheiro faz alterações em tempo real e mesas analógicas.

 

Pensando agora na realidade do Logic Pro X, os computadores processam no formato digital e nós ouvimos em análogo. O processo de conversão de Análogo para Digital, também conhecido pela cicla A/D, é necessário para converter as voltagens de cada trilha em trilhas digitais no computador. E o processo de Digital para Analógo, ou D/A, tem que ser feito também da saída do Logic Pro X para converter os dados em informação analógica, voltagens que podem ser transmitidas por caixas acústicas ou fones de ouvido.

 

O Logic Pro X emula o processo de mixagem analógica, mas no domínio digital. Dígitos binários (1 e 0) são os dados utilizados.
Pensando no fluxo de sinal digital, temos: 

6. Gravação de instrumento ou microfone utilizando um pré-amplificador
7. Processo de conversão A/D
8. Armazenamento 
9. Audição através de conversão D/A 
10. Amplificador
11. Caixa acústica ou fone de ouvido 

Nesse estágio, vale a pena revisar seu conhecimento do fluxo do Logic Pro X. Temos que ter total controle da fase de gravação para obter uma mixagem final adequada. Vamos continuar a falar dos principais elementos necessários para criar uma boa mixagem e alinhá-los aos recursos disponíveis no Logic Pro X.

 

 

Saiba mais

vera.medina1@gmail.com

www.veramedina.com.br

 

 

 

Please reload

Destaque

Gustavo Victorino conquista o troféu de Comentarista de Televisão do Ano, no Prêmio Press 2019

November 12, 2019

1/10
Please reload

Posts recentes

October 7, 2019

October 3, 2019

September 25, 2019

September 19, 2019

Please reload

Nossas Redes
  • Facebook Classic
  • Twitter Classic
  • Instagram
SOBRE

REVISTA BACKSTAGE

 

A Revista Backstage é um publicação da Editora H. Sheldon e pode ser adquirida online através do site da editora, por assintura ou avulsa.

 

ANUNCIE

IMPRESSA OU DIGITAL

 

Clique aqui e se informe sobre as condições de anúncios em nossa revista ou site.

CONTATO
  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • Instagram

Todos Direitos Reservados

Rua Iriquitiá, 392 - Taquara

Rio de Janeiro - RJ - CEP:22.730-150 

Telefones: (21) 3627-7945 /  2440-4549

E-mail: adm@backstage.com.br

© 2017 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS • REVISTA BACKSTAGE