Anuncio topo
COLUNISTAS

Som nas Igrejas: Ninguém Nota o que Funciona 2

08/11/2021 - 15:48h
Atualizado em 08/11/2021 - 17:19h

 

Poucas horas após publicar minha primeira participação nesta coluna, o mundo passou por provavelmente a maior queda de comunicação da história. Ela gerou confusão maior que a de 10 anos anteriores, causado pela destruição das antenas de comunicação nos ataques terroristas ao World Trade Center. 

 

A tecnologia está sujeita a vulnerabilidades. E não são apenas as máquinas, quem já passou dos 40 anos sabe que o corpo humano também apresenta as suas. Tudo isto resulta de atos voluntários, motivados por orgulho e ganância, em que o provável líder dos louvores no céu e os primeiros humanos criados por Deus optaram por desviar dos preceitos dados por Deus, culminando na chamada “queda do homem” no jardim paradisíaco do Éden. Esta abertura para que o mal ganhasse espaço no universo acabou contaminando a tudo e a todos. O apóstolo Paulo acena para o fato de que isto um dia terá seu fim:

 

Pois toda a criação aguarda com grande expectativa o dia em que os filhos de Deus serão revelados. Toda a criação, não por vontade própria, foi submetida por Deus a uma existência fútil, na esperança de que, com os filhos de Deus, a criação seja gloriosamente liberta da decadência que a escraviza. Pois sabemos que, até agora, toda a criação geme, como em dores de parto. (Rm 8.19-22)

 

Enquanto este dia não chega, estamos por aqui e sujeitos às falhas inerentes ao mundo imperfeito que resultou da queda do homem. Isto se reflete tanto nas falhas na tecnologia quanto no comportamento e motivações das pessoas que podem causá-las.

 

Os leitores que não me conhecem talvez estranhem o teor deste conteúdo inicial numa coluna dedicada ao Som de Igrejas, mas não tenho como deixar de ser fiel à realidade exposta pelos apóstolos Paulo e João:

Aqueles que choram, que se alegram ou que compram coisas não devem se entregar totalmente à tristeza, à alegria ou aos bens. Aqueles que usam as coisas deste mundo não devem se apegar a elas, pois este mundo, como o conhecemos, logo passará. E este mundo passa, e com ele tudo que as pessoas tanto desejam. Mas quem faz o que agrada a Deus vive para sempre. (1 Co 7.3031 e 1 Jo 2.17)

 

Quem trabalha no som e mídia sabe como pode ser empolgante termos às mãos as ferramentas capazes de produzir momentos inspirativos. Porém, enquanto a excelência deve ser o nosso alvo, o texto bíblico alerta para não focarmos nisto o nosso desejo, porque este mundo passa, e com ele tudo que as pessoas tanto desejam. Se você tem 10 ou 15 anos de experiência nesta área de sonorização, fica fácil relembrar quantos equipamentos, “sonho de consumo” já passaram para a obsolescência, e na área de TI, o processo é ainda mais acelerado, para nem mencionar os celulares!  

 

Daí, como meu propósito nesta coluna é lhes transmitir conceitos que auxiliem a produzir a melhor qualidade técnica, eu agiria de forma inconsequente se deixasse de mencionar este pano de fundo que envolve tudo o que fazemos agora – e define o nosso destino eterno! 

 

 

 

 

Após estes parênteses, voltemos à vulnerabilidade inerente à tecnologia. O apagão nas comunicações que derrubou Facebook, Messenger, Instagram, WhatsApp e Oculus serve para validar o título desta minha série inicial na coluna: Ninguém Nota O Que Funciona. Diariamente milhões ou bilhões de pessoas desfrutam de momentos, ou horas, de lazer, fazendo, inclusive, uso profissional destes aplicativos sem se dar conta de o que aconteceria na sua ausência. Na segunda-feira, 4/10/2021 tivemos uma amostra de 5 horas... 

 

“Mudanças de configuração nos roteadores da rede de transporte (backbone) que coordenam o tráfego de rede entre os nossos data centers causaram problemas que interromperam esta comunicação.”                    (Santosh Janardhan, VP, Engenharia e Infraestrutura · Facebook)

 

Por aqui, podemos aprender que mesmo sistemas dos mais sofisticados, com times de engenharia de primeira linha, com folhas de pagamento acima do que muitos imaginam, também têm vulnerabilidades.

 

O que eu gostaria de pontuar é que por incrível que possa parecer, os mesmos fatores que causaram esta queda estimada em provocar prejuízos de 60 a 100 milhões de dólares às empresas lideradas pelo Zuckerberg, dão espaço para que vulnerabilidades levem a falhas nas nossas equipes técnicas.

 

Os problemas resultaram em falha na comunicação, tema que citei em meu texto de estreia nesta coluna. Hoje, quero focar nas mudanças de configuração, o fator que desencadeou toda a questão da Facebook e empresas do grupo em 4/10/21. Felizmente, para nós que trabalhamos em igrejas, esta questão é muito mais simples de evitar do que para a gigante Facebook que roda 24/7. 

 

Estou ciente que as igrejas têm rotinas diferentes de ensaios e passagem de som. Cada uma tem a sua composição de membros com maior ou menor experiência e facilidade para chegar no nível em que estão aptos a se apresentar. Mas seja qual for a sua rotina, cada uma acabará chegando no ponto em que todos os ajustes foram feitos e não acontecerá mais nada até a abertura do culto. 

 

Não importa se este momento ocorre 15 minutos antes do culto, antes da escola bíblica ou mesmo ao final do ensaio no sábado, é muito importante se estabelecer a disciplina de que: 

Ninguém mexe em mais nada!

 

 

 

 

Eu sei que muitos dos que operam o som têm personalidade detalhista. Com ela, vem aquela vontade de “só mais um ajustezinho aqui” ou “só mudar aquilo para melhorar tal e tal coisa,” mas eu recomendo fortemente que 

Se você não terá outra oportunidade de conferir o resultado deste ajuste 

– em condições idênticas à apresentação ao vivo – (por exemplo, com a banda tocando),  não faça!

 

A razão é que ao invés de melhorar, ele pode dar margem para um imprevisto gerar uma situação bem pior do que a pequena melhora que se imaginava proporcionar. 

 

Aplicando a exemplos práticos:

 

No palco, não trocar cabos, pedais de efeitos, instrumentos, timbres do teclado, peças da bateria, modelos de microfone etc.

Na House, não mexer no que está funcionando (a menos que você tenha tempo para testar ou algum equipamento está dando indícios de que pode parar de funcionar). 

 

Também vale dizer que na House é um pouco mais simples, nas situações em que nós, técnicos e operadores, não dependemos da banda para testar. Então se houver necessidade premente, se não for causar distração ao público, e se houver tempo para testar após a reconfiguração, pode se considerar essa alteração. Mas a experiência ensina que esta deve ser uma exceção à regra, ok? Porque o recomendável é que novas configurações de sistema sejam feitas antes de um ensaio ou passagem de som – com tempo suficiente para avaliarmos o resultado sem ser na presença do público. Até “simples” trocas de cabos podem dar problema quando feitos na correria e sem teste adequado!

 

A terceira área em que está regra deve ser observada envolve upgrades de sistemas operacionais, softwares ou aplicativos. Esta pode ser a área mais crítica! 

 

Quando servi como diretor técnico numa grande igreja, a equipe me passava os avisos de upgrades que chegavam e nós os fazíamos durante a semana com tranquilidade e tempo suficiente para fazer backups, reverter à versão anterior e reinstalar se fosse o caso. Pode até dar certo fazer logo antes do culto, mas não vale a pena correr o risco! Imagine se o upgrade requer uma conexão com a internet que cai em meio ao processo... Portanto é importante desativar atualizações automáticas. Se podem surgir problemas e imprevistos em sistemas de primeira linha como vimos em 4/10/21, em empresas com equipes de TI que possuem engenheiros programadores equipamentos e orçamentos imensamente maiores que os de qualquer igreja, fica a dica de que não vale a pena correr risco, ok? 

 

Por fim, este evitar alterações de última hora introduz uma questão infelizmente comum em nosso serviço técnico. Me refiro às pessoas que entregam materiais para serem projetados ou reproduzidos (tocados) na House com tempo mínimo antes do início do culto ou, até mesmo, após este ter se iniciado. Isto traz um elevado potencial de causar imprevistos, quebra do fluxo da comunicação, e tem forte impacto contra a qualidade do serviço técnico. 

 

Sei que é até possível não observar estas recomendações e não ter problemas – algumas vezes, porém ignorá-las é expor-se a situações em que, como é comum ouvirmos hoje em dia "a coisa dá ruim.” 

 

O que apresento aqui são princípios acumulados ao longo dos meus 40 anos nesta área, assimilados das chamadas “melhores práticas” ou práticas recomendadas. Podemos traçar uma analogia com as leis do trânsito. Fora algumas de evidente motivação comercial ou política, estas leis foram, em sua maioria, instituídas para proporcionar segurança aos que transitam pelas ruas e calçadas. É possível ignorá-las sem consequências? A realidade indica que há quem o faça, porém, uma análise mais profunda indica que muitos se lançam nas mãos da sorte que nem sempre os atende. Dados publicados pela G1 apontam, por exemplo, para a realidade de que no primeiro semestre de 2021 houve 38.924 acidentes com motociclistas no estado de São Paulo. Isto equivale a 215 motociclistas “sem sorte” por dia. Não vou entrar na questão de quem teria provocado esta má sorte. Deixo que você tome suas próprias conclusões com base nas leis do trânsito e a prática constatado nas ruas. 

 

Aceitar materiais na House em cima da hora, sem tempo para testá-los, equivale a abrir a porta para potenciais “acidentes” por ir contra as práticas recomendáveis registradas ao longo das décadas de existência na nossa área de serviço a Deus. Esta questão é tão comum que dedicarei a minha próxima publicação a ela. Até lá!

Som nas Igrejas: Ninguém Nota o que Funciona 2
David Distler

COMENTÁRIOS

Só li verdades! Parabéns pela matéria Farat

- Guile

Ótimo texto Zé parabéns !!!!! Aguardando os próximos!!!

- Marco Aurélio

Adoro ver e rever as lives do Sá! Redescobri várias músicas da dupla valorizadas pela execução nas "Lives do Sá". Espero que esse trabalho volte de vez em quando. O Sá, juntamente com o Guilherme Arantes e o Tom Zé, está entre os melhores contadores de casos da MPB. Um livro com a história da dupla/trio escrito por ele seria muito interessante!

- Bruno Sander

Ontem foi um desses dias em que a intuição está atenta. Saí a caminhar pela Savassi sabendo que iria entrar naquela loja de discos onde sempre acho algo precioso em vinil. Já na loja, fui logo aos brasileiros e lá estavam o Nunca e o Pirão de Peixe em ótimo estado de conservação, o que é raríssimo. Comprei ambos. O 2º eu já tinha, meio chumbado. O Nunca eu conhecia de CD, e tem algumas das músicas que mais gosto da dupla, p. ex. Nuvens d'Água (acho perfeita), Coisa A-Toa (alusão à ditadura?), e outras. Me disseram que o F. Venturini é fã do Procol Harum, e realmente alguns solos de órgão dele fazem lembrar a banda inglesa.

- João Henrique Jr.

Que maravilha de matéria. Me transportei aos anos de ouro da música brasileira

- Sidney Ribeiro

Trabalho lindão. Parabéns à todos os envolvidos!

- Anderson Farias de Melo

O que dizer do melhor disco da música nacional(minha opinião). Tive o prazer em ver eles como dupla e a volta como trio em um shopping da zona leste de sampa. Lançamento do disco outra vez na estrada. Espero poder voltar a vê-los novamente, já que o Sa hoje mora fora do Brasil. E essa Pandemia, que isolou muito as pessoas. Obrigado por vocês existirem como músicos, poetas e instrumentistas. Vocês são F..., Obrigado, abracos

- Luiz antonio Rocha

Que maravilha Querido Paulinho Paulo Farat!! Obrigado por dividir conosco momentos tão lindos , pela maravilha de pessoa e imenso talento que Vc sempre teve, tem e terá, sempre estará no lugar certo e na hora certa ! Emocionante! Tive a honra de trabalhar muitas vezes com Vc, em especial na época do Zonazul , obrigado por tudo, parabéns pela brilhante carreira e que Deus Abençõe sempre . Bjbj

- Michel Freidenson

Mais uma vez um texto sensacional sobre a história da música e dos músicos brasileiros. Parabéns primo e obrigado por manter viva a memória dessas pessoas tão especiais para nós E vai gravar o vídeo desta semana! Kkkk

- Carlos Ronconi

Grande Farat!!! Bacana demais a coluna! Cheio de boas memorias pra compartilha!!!

- Luciana Lee

Valeu Paulo Farat por registrar nosso trabalho com tanto carinho e emoção sincera. Foram momentos profissionais muito importantes para todos nós. Inesquecíveis ! A todos os membros de nossa equipe,( e que equipe! ) Nosso Carinho e Saudades ! ???? ???????????????????? Guilherme Emmer Dias Gomes Mazinho Ventura Heitor TP Pereira Paulo Braga Renato Franco Walter Rocche Hamilton Griecco Micca Luiz Tornaghi Carlão Renato Costa Selma Silva Marilene Gondim Cláudia Zettel (in memoriam) Cristina Ferreira Neuza Souza

- Alberto Traiger

Depois de um ano de empresa 3M pude fazer o bendito carnê e comprei uma vitrolinha (em 12X) e na mesma hora levei Pirão, Quatro (Que era o novo), Es´pelho Cristalino e Vivo do Alceu, fiquei um ano ouvindo e pirando sem parar, depois vi o show do Quatro em Campinas. Considero o mais equilibrado de todos, sendo que sempre pendendo pro rural e nem tanto pro urbano, um disco atemporal podendo ser ouvido em qualquer situação, pois levanta o astral mesmo. No momento, Chuva no campo é ''a favorita'', mas depois passa e vem outra, igualzinho à aquela banda de Liverpool, manja????

- Ademilson Carlos de Sá

B R A V O!!! Paulo Farat não esqueça: “Afina isso aí moleque!” Hahahaha Tremendo profissional, sou teu fã, Grande abraço!

- Dudu Portes

Show é sensacional. Mas a s sensação intimista de parecer que a live é um show particular, dentro da sua casa, do seu quarto, é impagável. Parabéns família, incluindo Guarabyra e Tommy...

- Ricardo Amatucci

Paulo Farat vai esta nas lives do Papo Na Web a partir de amanha apresentando "Os Albuns Que Marcaram As Nossas Vidas"" Não percam, www.facebook.com/depaponaweb todas as terças-feiras as 20:00 horas

- Carlos Ronconi

Caro Luiz Carlos Sá, as canções que vocês fazem são maravilhosas, sinto a energia de cada uma. Tornei-me um admirador do trabalho de vocês no final dos anos 1970 com o LP Quatro e a partir de então saí procurando os discos de vocês, paguei um preço extorsivo pelo vendedor, os LP's "Casaco Marrom" do Guarabyra e "Passado, Presente e Futuro" (primeiro do Trio), mas valeu. tenho todos em LP's e CD's até o Antenas, depois desse só em CD's e o DVD "Outra Vez Na Estrada" exceto o mais recente "Cinamomo" mas em breve estarei com ele para curtir. A última vez que vi um show da dupla (nunca vi o trio em palco), foi no Recife no dia 16/04/2016 na Caixa Cultural, vi as duas apresentações. Levei dois bolos de rolo pra vocês, mas o Guarabyra não estava. Quero registrar que tenho até o LP "Vamos Por Aí", todos autografados, que foi num show feito no Teatro do Parque, as apresentações seriam nos 14,15 e 16/10/1992 mas o Guarabyra perdeu o voo e só foram dois dias, no dia do seu aniversário e outro no dia 16. Inesquecível. Agora estou lendo essas crônicas maravilhosas. Grande abraço forte e fraterno e muita saúde e sucesso pra vocês, sempre. P.S. O meu perfil no Facebook é Xavier de Brito e estou lá como Super Fã.

- Edison Xavier de Brito

Me lembro de ter lido algumas destas crônicas dos discos quando voce as publicou no Facebook em 2013, Sá. Muito emocionante reler e me emocionar de novo. Voces foram trilha sonora importantíssima dos últimos anos da minha vida. Sou de 1986, portanto de uma geração mais nova que escuta voces. Gratidão e vida longa a voces!

- Luiz Fernando Lopes

Salve!!! Que maravilha conhecer essas histórias de discos que fazem parte da minha vida. Parabéns `à Backstage e ao Sá! E, claro, esperando a crônica do Pirão. Esse disco me acompanha há mais de quarenta anos! Minhas filhas escutaram desde bebês e minha neta, que vai nascer agora em setembro, vai aprender a cantar todas as músicas!

- Maurício Cruz

com esse time de referências musicais (exatamente as minhas) mais o seu talento, não tem como não fazer música boa!!!! parabéns!!! com uma abraço de um fã que ouve seus discos desde essa época!

- nico figueiredo

Boa noite amigo, gostei muito das suas explicações, pois trabalho com mix gosto muito mesmo e assistindo você falando disso tudo gostei muito um abraço.

- Rubens Miranda Rodrigues

Obrigado Sá, obrigado Backstage, adoro essas histórias, muito bom, gostaria de ouvir histórias sobre as letras tbém, abç.

- Robson Marcelo ( Robinho de Guariba SP )

Esperando ansioso o Pirão de Peixe e o 4. Meu primeiro S&G

- Jeferson

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Escreva sua opinião abaixo*