Anuncio topo
COLUNISTAS

Quem tem parceiro, tem tudo!

24/02/2021 - 14:47h
Atualizado em 24/02/2021 - 16:42h

 

Quando comecei a compor não pensava jamais em parcerias. Não conseguia fazer letra separada de música, a coisa não rolava. Por mais que eu tentasse, elas me vinham juntas, uníssonas, unófonas, siamesas inseparáveis. E segui assim por muito tempo, em desajeitadas tentativas com os primeiros amigos músicos que se arriscaram comigo, eles tendo santa paciência enquanto eu - extrapolando minha função de melodista ou letrista - me intrujava seara alheia adentro sem a menor cerimônia. O resultado é que pouco de satisfatório resultava desses encontros.

 

A primeira a conseguir extrair alguma coisa dessa minha dificuldade em trabalhar a dois foi Luhli, também letrista/melodista, com sua irresistível vocação disciplinadora que acabava por manter-me dentro de fronteiras aceitáveis. Já um tanto “amestrado” e mais experiente no ramo, fiz bons trabalhos de letras para Paulo Machado, Sonia Prazeres, Martinha Strauch e Sidney Miller, ao mesmo tempo em que musicava letras dos mais experientes Chico de Assis e Nelson Motta, já aí entrando mais a sério no mercado. Mas como minhas primeiras músicas de boa repercussão radiofônica eram integralmente minhas, acabei por ser empurrado a uma fase de produção solitária, que estendeu-se até o encontro com Zé Rodrix, primeiro parceiro fixo e frequente.

 


Sá, Rodrix e Guarabyra

 

Acredito que a explicação para que essa parceria desse tão certo e fosse tão produtiva é que - antes mesmo que descobríssemos nossos objetivos musicais em comum – uma forte amizade nos uniu. O que me levava à casa do Zé não era  apenas compor, mas sim curtir o prazer de intermináveis conversas, que viravam temas, que por sua vez viravam músicas... e por aí afora, por anos a fio. Quando voltamos a compor juntos, depois de quase três décadas separados por pirraças inúteis, retomamos o fio da meada como se nada tivesse acontecido.



Sá & Guarabyra
 

Já a história com Guarabyra foi diferente: só depois de anos de amizade comemoramos com “Me Faça Um Favor” nossa primeira parceria, que mesmo assim teve seus tropeços, quando a primeira letra que fiz para uma melodia dele – que intitulei “Tropicountry” , pois discorria exatamente sobre aquilo que no futuro seria chamado de rock rural - foi sumariamente recusada:

 

- Ah, não é por aí não... é uma coisa mais assim pro romântico.

 

Fiquei meio chateado com a recusa, mas ouvi a vontade do parceiro e parti pra contar a história da minha recente separação, o que resultou numa das nossas melhores criações: “Me Faça um Favor” figura até hoje no repertório de todos os nossos shows. Daí emendamos com “Jurity Butterfly” e viemos embora, completando hoje umas boas duzentas músicas em parceria. Então, num trabalho de composição  em dupla ou às vezes até em trio - temos que ir escutando o parceiro, ou os parceiros. Falando com eles. Percebendo o que eles pensam e fazendo com que eles percebam o que pensamos. Não há o que tergiversar, disfarçar ou omitir – não funciona assim. Se você não gosta de alguma coisa, diga logo, vai poupar tempo e até - quem sabe - aborrecimentos.

 


Gabriel Sater e Luiz Carlos Sá

 

Minha dificuldade dos primeiros tempos em trabalhar em dupla acabou por transformar-se em prazer. E as parcerias foram se multiplicando, desde os de há muito tempo, como Sergio Magrão, Pedrão Baldanza, Tavito, Nilson Chaves, Torquato Neto, Nelson Motta, Claudio Venturini, Sergio Hinds, Flavio Venturini, Vermelho, Claudio Nucci, Teca Calazans, Cezar de Mercês e Celso Blues Boy  até os mais recentes como Gabriel Sater, João Gaspar, Chico Cesar, Zé Renato, Ivan Lins, Dery Nascimento, Zeca Baleiro, Almir Sater, Guilherme Rondon, Daniel Rondon, Leandro Aguiari, Tomaz Sá, Miguel Sá, Zé Edu, Vinicius Sá, Tatá Spalla, Mamour Ba,  Arthur de Paula... todos aqueles, enfim, com quem fiz, faço ou farei ainda uma, algumas ou muitas músicas. Eles permanecem sendo um aprendizado pessoal e musical fascinante. Porque uma parceria  sempre traz mais do que apenas um trabalho em conjunto. Pode resultar numa amizade para a vida inteira, numa consciência de emoções e vivências diversas da sua, que ficam expostas ali naquela música e abrem uma porta para aquele outro mundo que é mostrado a você por seu parceiro.

 


O 'Encontro Marcado' de Sá & Guarabyra, Flávio Venturini e 14 Bis

 

Por isso também é necessária – essencial mesmo - para a Boa Parceria a permanência de uma franqueza absoluta, que pode até doer. Mas é assim que funciona. Porque também na lida musical vale o velho ditado das mães, aplicando em nossos joelhos ralados aquele maldito mertiolate: “O que arde, cura. O que aperta, segura”.

 

 

Quem tem parceiro, tem tudo!
Luiz Carlos Sá

COMENTÁRIOS

Depois de um ano de empresa 3M pude fazer o bendito carnê e comprei uma vitrolinha (em 12X) e na mesma hora levei Pirão, Quatro (Que era o novo), Es´pelho Cristalino e Vivo do Alceu, fiquei um ano ouvindo e pirando sem parar, depois vi o show do Quatro em Campinas. Considero o mais equilibrado de todos, sendo que sempre pendendo pro rural e nem tanto pro urbano, um disco atemporal podendo ser ouvido em qualquer situação, pois levanta o astral mesmo. No momento, Chuva no campo é ''a favorita'', mas depois passa e vem outra, igualzinho à aquela banda de Liverpool, manja????

- Ademilson Carlos de Sá

B R A V O!!! Paulo Farat não esqueça: “Afina isso aí moleque!” Hahahaha Tremendo profissional, sou teu fã, Grande abraço!

- Dudu Portes

Show é sensacional. Mas a s sensação intimista de parecer que a live é um show particular, dentro da sua casa, do seu quarto, é impagável. Parabéns família, incluindo Guarabyra e Tommy...

- Ricardo Amatucci

Paulo Farat vai esta nas lives do Papo Na Web a partir de amanha apresentando "Os Albuns Que Marcaram As Nossas Vidas"" Não percam, www.facebook.com/depaponaweb todas as terças-feiras as 20:00 horas

- Carlos Ronconi

Caro Luiz Carlos Sá, as canções que vocês fazem são maravilhosas, sinto a energia de cada uma. Tornei-me um admirador do trabalho de vocês no final dos anos 1970 com o LP Quatro e a partir de então saí procurando os discos de vocês, paguei um preço extorsivo pelo vendedor, os LP's "Casaco Marrom" do Guarabyra e "Passado, Presente e Futuro" (primeiro do Trio), mas valeu. tenho todos em LP's e CD's até o Antenas, depois desse só em CD's e o DVD "Outra Vez Na Estrada" exceto o mais recente "Cinamomo" mas em breve estarei com ele para curtir. A última vez que vi um show da dupla (nunca vi o trio em palco), foi no Recife no dia 16/04/2016 na Caixa Cultural, vi as duas apresentações. Levei dois bolos de rolo pra vocês, mas o Guarabyra não estava. Quero registrar que tenho até o LP "Vamos Por Aí", todos autografados, que foi num show feito no Teatro do Parque, as apresentações seriam nos 14,15 e 16/10/1992 mas o Guarabyra perdeu o voo e só foram dois dias, no dia do seu aniversário e outro no dia 16. Inesquecível. Agora estou lendo essas crônicas maravilhosas. Grande abraço forte e fraterno e muita saúde e sucesso pra vocês, sempre. P.S. O meu perfil no Facebook é Xavier de Brito e estou lá como Super Fã.

- Edison Xavier de Brito

Me lembro de ter lido algumas destas crônicas dos discos quando voce as publicou no Facebook em 2013, Sá. Muito emocionante reler e me emocionar de novo. Voces foram trilha sonora importantíssima dos últimos anos da minha vida. Sou de 1986, portanto de uma geração mais nova que escuta voces. Gratidão e vida longa a voces!

- Luiz Fernando Lopes

Salve!!! Que maravilha conhecer essas histórias de discos que fazem parte da minha vida. Parabéns `à Backstage e ao Sá! E, claro, esperando a crônica do Pirão. Esse disco me acompanha há mais de quarenta anos! Minhas filhas escutaram desde bebês e minha neta, que vai nascer agora em setembro, vai aprender a cantar todas as músicas!

- Maurício Cruz

com esse time de referências musicais (exatamente as minhas) mais o seu talento, não tem como não fazer música boa!!!! parabéns!!! com uma abraço de um fã que ouve seus discos desde essa época!

- nico figueiredo

Boa noite amigo, gostei muito das suas explicações, pois trabalho com mix gosto muito mesmo e assistindo você falando disso tudo gostei muito um abraço.

- Rubens Miranda Rodrigues

Obrigado Sá, obrigado Backstage, adoro essas histórias, muito bom, gostaria de ouvir histórias sobre as letras tbém, abç.

- Robson Marcelo ( Robinho de Guariba SP )

Esperando ansioso o Pirão de Peixe e o 4. Meu primeiro S&G

- Jeferson

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Escreva sua opinião abaixo*