Anuncio topo
COLUNISTAS

O Blues Nosso de Cada Dia!

23/04/2021 - 15:01h
Atualizado em 23/04/2021 - 16:06h

 

Nessa “Pandemônia” (acho que assim batizada pelo Marcelo Sussekind) as redes sociais viraram verdadeiras Universidades, com workshops incríveis, grandes encontros, cursos que não conseguiríamos fazer ao mesmo tempo, nada presencial, uma benção em tempos difíceis, onde temos que ser extremamente gratos pelas ferramentas virtuais e aos “Magos” da informação... Novos tempos não virão por aí, pois eles já estão aqui, e não vou citar nomes, pois seria uma lista imensa de profissionais qualificados, dividindo informações preciosas. Agradeço de coração e peço perdão por não identificar todos...

 

Agora, e a música??? Passando uma lente sobre todos os posts das redes, conta-se nos dedos os que falam de Música... O que houve galera??? Empregar todo esse conhecimento para qual índice de prazer atrás de uma console??? Só pelo $$$??? Sim, eu sou um velhinho de 61 anos que ama mixar Música. Tenho um imenso respeito por todos os trabalhos que estão no ar, e se uma determinada banda tem potencial pra gravar um álbum todo cantando “Atirei O Pau No Gato”, tem que ser respeitada... Ponto final!!! E quem sou eu pra questionar esse ou aquele trabalho, certo??? Mas esse assunto é pra outro dia...

 

Imaginando aqui o que seriam as consoles digitais e todas as mordomias atuais, e pedindo respeitosa licença aos Miltons, Venturinis, Sás, Guarabyras, Toms, Ivans, Lulus, Guilhermes, Lenines e uma quantidade indescritível de indiscutíveis gênios da Música Brasileira, quero voltar ao Stage, e falar hoje, primeiro das edições do Blues Festival sob a batuta do produtor César Castanho e produção técnica do “Mago da Paranoia” (saudável e competente paranoia, é claro, onde “não errar” é o lema!!!) on stage Pena Schimdt (depois passo pra B.B.King).

 

Fiz parte da equipe técnica como engenheiro de monitor nas três datas, e o que é melhor, as bandas de blues geralmente não viajam com equipe! Desde o primeiro evento em Ribeirão Preto (com a parceria do Hamilton Micca Grieco no PA e um festival de canjas no hotel depois do evento com caras correndo pelos corredores tocando sax e até com viola caipira caindo no blues), passando pelo segundo no Ginásio do Ibirapuera em São Paulo e a edição “Sesc in Blues” em São Carlos (com as mixes do Carlinhos Freitas), descobri nesses caras uma humildade completamente proporcional ao que eles representam para a história da música mundial.

 

Bandas do calibre de um Albert Collins, Magic Slim & The Teardrops, Etta James, Otis Clay, John Hammond, Eddy Clearwater, Bo Didley, André Cristovam, Flávio Guimarães, Frejat, Ed Motta e a nossa ótima e cheia de outras feras Brazilian Blues All Stars, entre muitos outros. Uma verdadeira aula de humildade e amor pela música que fazem. Até alguns desafios na parte técnica foram muitos bem superados como, por exemplo, deixar os caras à vontade em um stage gigantesco como o Ginásio do Ibirapuera em Sampa, já que os “Clubs” e stages menores tem muito mais a ver com a sonoridade que essas bandas gostam pra tocar.

 

 

Alguns shows (na verdade, todos eles) foram bárbaros… O Albert Collins, com um Twin Fender queimado no primeiro acorde do show, transformou um Jazz Chorus num amplificador de blues. A gente olhava e não acreditava no que estava ouvindo. O John Hammond de violão de aço, harmônica e voz para um público de 15.000 pessoas no primeiro dia no Ibirapuera, a verdadeira celebração que foi o show, ou melhor, a celebração do Otis Clay em São Carlos e um muito especial: uma banda chamada Saffire!!! Três mulheres infernais que roubaram a cena no Sesc: Ann Rabson, Gaye Adegbalola e Andra Faye, que fazem uma apresentação muito espirituosa de blues clássicos no melhor do acústico. Enfim, um projeto muito legal que já deveria ter sua edição anual garantida. Uma verdadeira aula de postura e história da música.

 

Ouvindo também o CD Deuces Wild do B.B.King me lembrei dos shows históricos que ele fez no Olympia em Sampa. Foi muito engraçado…  Estávamos eu e o Roberto Marques com o equipamento alinhado desde as dez da manhã e nada de aparecer alguém da banda pro soundcheck. Quando bateu umas quatro da tarde, pinta aquele maluco do trumpete (não se sabe até hoje como a cabeça dele para no pescoço…rs) e disse que só ele viria passar o som e nos orientar quanto à mix da banda, que só chegaria ao Olympia meia hora antes do show.

 

A mix de monitor era a seguinte: os caras só queriam os próprios instrumentos nos monitores e muita guitarra e voz do BB pra todo mundo. Os caras tocavam tão perto uns dos outros que parecia mais uma sala de ensaio do que o stage do Olympia. Conforme o combinado, meia hora antes do show chega todo mundo. Já trocados pro show, entram no palco, dão aquela arrumada na afinação e mandam apagar as luzes e abrir as cortinas.

 

O que se viu naqueles dois dias de concerto foi uma banda infernal num verdadeiro banho de blues!!! Duas coisas muito especiais: a humildade e simplicidade do B.B., que saia do palco e vinha direto pra mesa de monitor agradecer o trabalho da técnica, antes mesmo de falar com o empresário, e um cara que eu fiquei muito fã (e que por uma ‘incompetência master’ da minha parte, não me lembro o nome dele agora) nos teclados, que tinha 40 anos de órgão Hammond e me fez deixar um pouco de lado (só por duas noites, é claro…rsrsrs) meu ídolo John Lord… Quem viu, viu!!!… Mais ou menos como o Queen no Morumbi em 1980!!!

 

Enfim, vamos postar mais sobre o prazer de mixar Música. Quero ouvir as histórias de todos vocês nas Redes, pois afinal, só não curte história quem não tem história. É empolgante falar de como passamos essa emoção para os botões, pois ninguém “faz” som no PA ou o Monitor, e apenas temos a chance e o mérito de transportar esses sons e palavras através das nossas consoles, sejam elas quais forem.

 

Grande abraço!!!... Let´s mix Music!!!

O Blues Nosso de Cada Dia!
Paulo Farat

COMENTÁRIOS

Depois de um ano de empresa 3M pude fazer o bendito carnê e comprei uma vitrolinha (em 12X) e na mesma hora levei Pirão, Quatro (Que era o novo), Es´pelho Cristalino e Vivo do Alceu, fiquei um ano ouvindo e pirando sem parar, depois vi o show do Quatro em Campinas. Considero o mais equilibrado de todos, sendo que sempre pendendo pro rural e nem tanto pro urbano, um disco atemporal podendo ser ouvido em qualquer situação, pois levanta o astral mesmo. No momento, Chuva no campo é ''a favorita'', mas depois passa e vem outra, igualzinho à aquela banda de Liverpool, manja????

- Ademilson Carlos de Sá

B R A V O!!! Paulo Farat não esqueça: “Afina isso aí moleque!” Hahahaha Tremendo profissional, sou teu fã, Grande abraço!

- Dudu Portes

Show é sensacional. Mas a s sensação intimista de parecer que a live é um show particular, dentro da sua casa, do seu quarto, é impagável. Parabéns família, incluindo Guarabyra e Tommy...

- Ricardo Amatucci

Paulo Farat vai esta nas lives do Papo Na Web a partir de amanha apresentando "Os Albuns Que Marcaram As Nossas Vidas"" Não percam, www.facebook.com/depaponaweb todas as terças-feiras as 20:00 horas

- Carlos Ronconi

Caro Luiz Carlos Sá, as canções que vocês fazem são maravilhosas, sinto a energia de cada uma. Tornei-me um admirador do trabalho de vocês no final dos anos 1970 com o LP Quatro e a partir de então saí procurando os discos de vocês, paguei um preço extorsivo pelo vendedor, os LP's "Casaco Marrom" do Guarabyra e "Passado, Presente e Futuro" (primeiro do Trio), mas valeu. tenho todos em LP's e CD's até o Antenas, depois desse só em CD's e o DVD "Outra Vez Na Estrada" exceto o mais recente "Cinamomo" mas em breve estarei com ele para curtir. A última vez que vi um show da dupla (nunca vi o trio em palco), foi no Recife no dia 16/04/2016 na Caixa Cultural, vi as duas apresentações. Levei dois bolos de rolo pra vocês, mas o Guarabyra não estava. Quero registrar que tenho até o LP "Vamos Por Aí", todos autografados, que foi num show feito no Teatro do Parque, as apresentações seriam nos 14,15 e 16/10/1992 mas o Guarabyra perdeu o voo e só foram dois dias, no dia do seu aniversário e outro no dia 16. Inesquecível. Agora estou lendo essas crônicas maravilhosas. Grande abraço forte e fraterno e muita saúde e sucesso pra vocês, sempre. P.S. O meu perfil no Facebook é Xavier de Brito e estou lá como Super Fã.

- Edison Xavier de Brito

Me lembro de ter lido algumas destas crônicas dos discos quando voce as publicou no Facebook em 2013, Sá. Muito emocionante reler e me emocionar de novo. Voces foram trilha sonora importantíssima dos últimos anos da minha vida. Sou de 1986, portanto de uma geração mais nova que escuta voces. Gratidão e vida longa a voces!

- Luiz Fernando Lopes

Salve!!! Que maravilha conhecer essas histórias de discos que fazem parte da minha vida. Parabéns `à Backstage e ao Sá! E, claro, esperando a crônica do Pirão. Esse disco me acompanha há mais de quarenta anos! Minhas filhas escutaram desde bebês e minha neta, que vai nascer agora em setembro, vai aprender a cantar todas as músicas!

- Maurício Cruz

com esse time de referências musicais (exatamente as minhas) mais o seu talento, não tem como não fazer música boa!!!! parabéns!!! com uma abraço de um fã que ouve seus discos desde essa época!

- nico figueiredo

Boa noite amigo, gostei muito das suas explicações, pois trabalho com mix gosto muito mesmo e assistindo você falando disso tudo gostei muito um abraço.

- Rubens Miranda Rodrigues

Obrigado Sá, obrigado Backstage, adoro essas histórias, muito bom, gostaria de ouvir histórias sobre as letras tbém, abç.

- Robson Marcelo ( Robinho de Guariba SP )

Esperando ansioso o Pirão de Peixe e o 4. Meu primeiro S&G

- Jeferson

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Escreva sua opinião abaixo*