Anuncio topo
COLUNISTAS

Paulo Farat: Minha paixão pelos Monitores no Stage!

04/08/2022 - 22:13h
Atualizado em 05/08/2022 - 06:17h


 

E aí galera... Aqui está um Sr. do Planeta Áudio, de 62 anos, que nunca fez um PA na vida... Minha paixonite se dividiu entre tocar minha batera, gravar e mixar Monitor. Bom, loucura, insanidade??? Mas eu gosto assim. Vou tentar resumir essa paixão, pulando a parte da bateria e dos estúdios de gravação.

 

No início dos anos 80 eu ainda não havia sentido o gostinho da estrada, pois concentrava todo o meu trabalho no estúdio (Vice-Versa). Éramos em três técnicos para dar conta dos dois estúdios e de todas as produções do “Vice” : eu, o Hamilton “Mica” Griecco e o Vitor Corrêa. O máximo contato que tinha com o operacional do show business era “grudar” no Vitor quando rolavam eventos em São Paulo.

 

Naquele ano o Milton sairia na sua primeira grande tour mundial, com o Ivo Barreto e o Vitor na equipe: pronto… estava feita a festa! O Vitor me jogou na roubada de substitui-lo na banda do Ritchie, no meio daquela confusão (no bom sentido) toda que era o estouro datour e do disco “Voo de Coração”!!! Depois do primeiro final de semana com a banda na estrada nunca mais consegui me afastar do stage! A banda era formada pelo Nico Rezende (teclados), Fred Maciel (bateria), Chico Sá (sax), Nilo Romero (baixo), Torcuato Mariano (guitarra) e pelas vocalistas Soninha Bonfá e Marisa Fossa. Nunca fiz tanto show na minha vida! A loucura que era o público do Richie naquela tour só foi igualada na “Revoluções” do RPM.

 

Depois do Farat ser o Engenheiro de Monitor do Ritchie, o que era um luxo na época, ralei muito no Projeto SP, onde não era moda as bandas contarem com técnicos de PA e Monitor... Quem fazia a maioria das mixes de monitor era o “cara da casa”, que por acaso era o Paulinho Farat da Gabisom. Melhor escola impossível!!! Toda a qualidade dos equipamentos do Projeto mais o conhecimento que eu adicionava a cada Gig que fazia, pois era sempre guiado pelo engenheiro da banda. Ou seja, aprendi sobre muitos detalhes de cada um, de cada show, fora as bandas que tinham seus técnicos de Monitor.

 

Depois disso vieram Guilherme Arantes, Bethânia, Fábio Jr., Rita Lee, Ivan Lins, a “Universidade Livre de Monitor” Milton Nascimento, Maurício Manieri, Capital Inicial, Charlie Brown Jr., todos os Blues Festival que rolaram no País, uma grande quantidade de Free Jazz e por aí vai...

 

A cada gig uma paixão diferente, e o principal; eu jamais tocaria batera com Marcus Miller, Tom Jobim, Gov’t Mule, um BB King e todos os caras que eu trabalhei nesses 43 anos de stage!!!... Hehehehehe. Esse post seria gigante pra descrever cada dia de aprendizado sobre o que fazer e o que não fazer no palco!!!

 

Grande conquistas profissionais, como as Tours do Milton por 1/3 do Planeta e seus Festivais incríveis, grandes parceiros Engenheiros de FOH, e também grandes pisadas. Por exemplo, em um belo dia de stage no Palace, grandes (e detalhistas) músicos no stage em uma clássica formação de piano acústico (aberto), baixo acústico (só mic), sax & bateria (kick, snare &overs)… Uma passagem de som absolutamente tranquila, apenas pequenos ajustes de filtros e EQ, o monitor falando bonito, na mais perfeita ordem, com o resultado final aprovado por todos, com louvor!!!Naquele dia eu fiquei surpreso com o pouco tempo de soundcheck e o resultado ao qual chegamos no stage… O clássico “monitor de jazz” perfeito. Os zerados e eficientes monitores Meyer UM1P da Loudness e a incrível Midas XL3, garantiram o sucesso do ensaio.Todos para o hotel e aí veio o susto… Eu, em um descuido absoluto, talvez muito relaxado, pois era o terceiro dia do evento, deixei todos os gráficos em by-pass na console, ou seja, TREVA!!!… Só que não, pois foi o melhor e mais eficiente monitor de UM1P que eu fiz na vida!!!

 

Não contei isso pra ninguém, muito menos pro Pena… O plano B, “just in case” era deixar uma curva presetada pro showtime… É claro que não precisou!!! Hehehehehe.Um brinde ao “flat mode on” no monitor.

 

O Monitor é um mundo de procedimentos, principalmente na era dos in-ears, onde cada show virou uma sessão de estúdio!!! Como eu sempre digo, e não é uma unanimidade, não existe quem não goste de in-ears e sim quem usou errado!!! Fato… Não adianta pegar os phones, distribuir para quem nunca usou e dizer “olha que legal”!!!… Tragédia anunciada. Não existe “o melhor cara do monitor”, mas sim o melhor procedimento… Costumo comparar nosso trabalho com a aviação. Os caras que são mais considerados no mercado, são os que seguem os melhores procedimentos!!! Pular um deles no stage é fazer um pouso sem ter checado os flaps antes da decolagem. Simples assim, mas esse é assunto pro outros posts.

 

Encerrando o papo, não precisamos passear na pracinha com os pets dos artistas, nem ver a novela das 21:00 hs e depois comer uma pizza com eles, mas uma proximidade artística e técnica é extremamente importante. Quando contratam alguém para mix no stage, contratam pela assinatura profissional e estrada de cada um… Vc tem que saber quem está na ponta da mix, seu gosto pessoal, suas preferências, assim como as pessoas no stage tem que saber quem pilota a console!!!

 

E por aí vai... Sigo por aqui, me divertindo muito com os amigos da Falamansa!!! Esse post vai ficar longo e chato, se eu contar muitas das histórias. Só sei que sou cobrado por não fazer PA, mas se o CARA lá de cima permitir vai tudo continuar assim!!!... Hehehehe.

 

Aliás, bons tempos de aprendizado, estando na hora certa e no lugar certo, em uma época abençoada de bandas e casa incríveis… Tava todo mundo junto na estrada: Lulu, Barão, Metrô, Lobão e os Ronaldos, Brilho da Cidade e muitos outros, pra tocar em casas como Radar Tantã, Raio Laser, etc… Saudades Master dessa “Universidade”!!!…

 

 

Let’s mix Monitors!!! Até o próximo!!!

Paulo Farat: Minha paixão pelos Monitores no Stage!
Paulo Farat

COMENTÁRIOS

O capacitor envelhece em um equipamento pouco usado também? Ou ele degrada principalmente com o uso? Por exemplo, um equipamento da década de 80 muito pouco usado precisaria de recap por desgaste do tempo?

- Henrique M

Ótimo, vai ajudar muito! Cesar é fantástico, ótima matéria!

- adriano vasque da

Saudades da Paranoia saudável que tínhamos no Freeeeeee Jazzzzzz Festival (imitando Zuza em suas apresentações magnificas) Parabéns Farat Forte abraço

- Ernani Napolitano

Artigo incrivel! Extremamente realista e necessário, obrigado mestre!

- Jennifer Rodrigues

Depois de 38 anos ouvindo o disco, eis q me deparo com a história dele. Multo bom!! Abrss

- Fernando Baptista Junqueira

Que maravilha de matéria, muito verdadeira é muito bem escrita, quem viveu como eu esta época, só pode agradecer pela oportunidade que Deus me concedeu. Vou ler todas, mas tinha que começar por esta… abraços…

- Caio Flávio

Só li verdades! Parabéns pela matéria Farat

- Guile

Ótimo texto Zé parabéns !!!!! Aguardando os próximos!!!

- Marco Aurélio

Adoro ver e rever as lives do Sá! Redescobri várias músicas da dupla valorizadas pela execução nas "Lives do Sá". Espero que esse trabalho volte de vez em quando. O Sá, juntamente com o Guilherme Arantes e o Tom Zé, está entre os melhores contadores de casos da MPB. Um livro com a história da dupla/trio escrito por ele seria muito interessante!

- Bruno Sander

Ontem foi um desses dias em que a intuição está atenta. Saí a caminhar pela Savassi sabendo que iria entrar naquela loja de discos onde sempre acho algo precioso em vinil. Já na loja, fui logo aos brasileiros e lá estavam o Nunca e o Pirão de Peixe em ótimo estado de conservação, o que é raríssimo. Comprei ambos. O 2º eu já tinha, meio chumbado. O Nunca eu conhecia de CD, e tem algumas das músicas que mais gosto da dupla, p. ex. Nuvens d'Água (acho perfeita), Coisa A-Toa (alusão à ditadura?), e outras. Me disseram que o F. Venturini é fã do Procol Harum, e realmente alguns solos de órgão dele fazem lembrar a banda inglesa.

- João Henrique Jr.

Que maravilha de matéria. Me transportei aos anos de ouro da música brasileira

- Sidney Ribeiro

Trabalho lindão. Parabéns à todos os envolvidos!

- Anderson Farias de Melo

O que dizer do melhor disco da música nacional(minha opinião). Tive o prazer em ver eles como dupla e a volta como trio em um shopping da zona leste de sampa. Lançamento do disco outra vez na estrada. Espero poder voltar a vê-los novamente, já que o Sa hoje mora fora do Brasil. E essa Pandemia, que isolou muito as pessoas. Obrigado por vocês existirem como músicos, poetas e instrumentistas. Vocês são F..., Obrigado, abracos

- Luiz antonio Rocha

Que maravilha Querido Paulinho Paulo Farat!! Obrigado por dividir conosco momentos tão lindos , pela maravilha de pessoa e imenso talento que Vc sempre teve, tem e terá, sempre estará no lugar certo e na hora certa ! Emocionante! Tive a honra de trabalhar muitas vezes com Vc, em especial na época do Zonazul , obrigado por tudo, parabéns pela brilhante carreira e que Deus Abençõe sempre . Bjbj

- Michel Freidenson

Mais uma vez um texto sensacional sobre a história da música e dos músicos brasileiros. Parabéns primo e obrigado por manter viva a memória dessas pessoas tão especiais para nós E vai gravar o vídeo desta semana! Kkkk

- Carlos Ronconi

Grande Farat!!! Bacana demais a coluna! Cheio de boas memorias pra compartilha!!!

- Luciana Lee

Valeu Paulo Farat por registrar nosso trabalho com tanto carinho e emoção sincera. Foram momentos profissionais muito importantes para todos nós. Inesquecíveis ! A todos os membros de nossa equipe,( e que equipe! ) Nosso Carinho e Saudades ! ???? ???????????????????? Guilherme Emmer Dias Gomes Mazinho Ventura Heitor TP Pereira Paulo Braga Renato Franco Walter Rocche Hamilton Griecco Micca Luiz Tornaghi Carlão Renato Costa Selma Silva Marilene Gondim Cláudia Zettel (in memoriam) Cristina Ferreira Neuza Souza

- Alberto Traiger

Depois de um ano de empresa 3M pude fazer o bendito carnê e comprei uma vitrolinha (em 12X) e na mesma hora levei Pirão, Quatro (Que era o novo), Es´pelho Cristalino e Vivo do Alceu, fiquei um ano ouvindo e pirando sem parar, depois vi o show do Quatro em Campinas. Considero o mais equilibrado de todos, sendo que sempre pendendo pro rural e nem tanto pro urbano, um disco atemporal podendo ser ouvido em qualquer situação, pois levanta o astral mesmo. No momento, Chuva no campo é ''a favorita'', mas depois passa e vem outra, igualzinho à aquela banda de Liverpool, manja????

- Ademilson Carlos de Sá

B R A V O!!! Paulo Farat não esqueça: “Afina isso aí moleque!” Hahahaha Tremendo profissional, sou teu fã, Grande abraço!

- Dudu Portes

Show é sensacional. Mas a s sensação intimista de parecer que a live é um show particular, dentro da sua casa, do seu quarto, é impagável. Parabéns família, incluindo Guarabyra e Tommy...

- Ricardo Amatucci

Paulo Farat vai esta nas lives do Papo Na Web a partir de amanha apresentando "Os Albuns Que Marcaram As Nossas Vidas"" Não percam, www.facebook.com/depaponaweb todas as terças-feiras as 20:00 horas

- Carlos Ronconi

Caro Luiz Carlos Sá, as canções que vocês fazem são maravilhosas, sinto a energia de cada uma. Tornei-me um admirador do trabalho de vocês no final dos anos 1970 com o LP Quatro e a partir de então saí procurando os discos de vocês, paguei um preço extorsivo pelo vendedor, os LP's "Casaco Marrom" do Guarabyra e "Passado, Presente e Futuro" (primeiro do Trio), mas valeu. tenho todos em LP's e CD's até o Antenas, depois desse só em CD's e o DVD "Outra Vez Na Estrada" exceto o mais recente "Cinamomo" mas em breve estarei com ele para curtir. A última vez que vi um show da dupla (nunca vi o trio em palco), foi no Recife no dia 16/04/2016 na Caixa Cultural, vi as duas apresentações. Levei dois bolos de rolo pra vocês, mas o Guarabyra não estava. Quero registrar que tenho até o LP "Vamos Por Aí", todos autografados, que foi num show feito no Teatro do Parque, as apresentações seriam nos 14,15 e 16/10/1992 mas o Guarabyra perdeu o voo e só foram dois dias, no dia do seu aniversário e outro no dia 16. Inesquecível. Agora estou lendo essas crônicas maravilhosas. Grande abraço forte e fraterno e muita saúde e sucesso pra vocês, sempre. P.S. O meu perfil no Facebook é Xavier de Brito e estou lá como Super Fã.

- Edison Xavier de Brito

Me lembro de ter lido algumas destas crônicas dos discos quando voce as publicou no Facebook em 2013, Sá. Muito emocionante reler e me emocionar de novo. Voces foram trilha sonora importantíssima dos últimos anos da minha vida. Sou de 1986, portanto de uma geração mais nova que escuta voces. Gratidão e vida longa a voces!

- Luiz Fernando Lopes

Salve!!! Que maravilha conhecer essas histórias de discos que fazem parte da minha vida. Parabéns `à Backstage e ao Sá! E, claro, esperando a crônica do Pirão. Esse disco me acompanha há mais de quarenta anos! Minhas filhas escutaram desde bebês e minha neta, que vai nascer agora em setembro, vai aprender a cantar todas as músicas!

- Maurício Cruz

com esse time de referências musicais (exatamente as minhas) mais o seu talento, não tem como não fazer música boa!!!! parabéns!!! com uma abraço de um fã que ouve seus discos desde essa época!

- nico figueiredo

Boa noite amigo, gostei muito das suas explicações, pois trabalho com mix gosto muito mesmo e assistindo você falando disso tudo gostei muito um abraço.

- Rubens Miranda Rodrigues

Obrigado Sá, obrigado Backstage, adoro essas histórias, muito bom, gostaria de ouvir histórias sobre as letras tbém, abç.

- Robson Marcelo ( Robinho de Guariba SP )

Esperando ansioso o Pirão de Peixe e o 4. Meu primeiro S&G

- Jeferson

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Escreva sua opinião abaixo*