Anuncio topo
COLUNISTAS

Vera Medina: a escolha do microfone adequado

22/02/2021 - 11:18h
Atualizado em 22/02/2021 - 15:03h


 

Muitas mudanças têm ocorrido no uso de softwares e hardwares para produção e entendo que para cada tipo de pessoa e necessidade existe uma configuração adequada. Temos hoje uma situação em que a migração dos serviços para o espaço digital exigiu e tem exigido uma adaptação dos músicos a esta nova realidade. Pensando no cenário de cantores, locutores e outros que precisam gravar e editar sua voz falada ou cantada, vou falar um pouco sobre o uso de microfones.

 

Uma pergunta que sempre paira no ar é qual microfone é melhor dentro de uma determinada faixa de preço, mas não é assim tão simples. É necessário entender corretamente qual será o uso, finalidade e também em qual ambiente será realizada a gravação. E ainda quais as características da voz ou vozes que serão gravados. Assim, sabendo qual tipo de microfone você precisa, suas opções serão mais focadas e poderá optar dentro de seu orçamento também.

 

Vamos começar pelos principais tipos de microfones, seu uso, prós e contras: dinâmicos e condensadores.

Temos duas sub-categorias de microfones dinâmicos: bobina móvel (moving coil) e fita (ribbon).

  • Dinâmico de bobina móvel, ou simplesmente, dinâmico

Como seria muito mais complicado de falar, o microfone dinâmico de bobina móvel é conhecido em sua forma abreviada “microfone dinâmico” e é o mais conhecido e utilizado da categoria.

 

Os microfones dinâmicos convertem o som em sinal elétrico através de eletromagnetismo em um processo bem simples, apresentado na figura abaixo: O som externo (1) chega à membrana (diafragma) (2) usada para receber o sinal e faz esta se mover. A membrana fica presa a uma bobina (3) suspensa entre dois imãs. Quando a membrana se move, a bobina também se move para cima e para baixo no ritmo das ondas sonoras, causando uma corrente elétrica e resultando no som (5). Ou seja, há conversão de ondas sonoras em um sinal elétrico. Em sua estrutura, também há um imã permanente (4). De acordo com o fluxo apresentado, eles não precisam de alimentação externa para funcionar.

 

 

Fonte: microfone dinâmico -  wiki commons CC3.0

 

Uso:  Microfones de bobina móvel são frequentemente preferidos para uso no palco, porque são bastante resistentes e não requerem alimentação externa.

 

  • Dinâmico de fita

Um microfone de fita é, na verdade, um tipo de microfone dinâmico. Em vez de um diafragma de microfone dinâmico conectado a uma bobina móvel que vibra dentro de um campo magnético, os microfones de fita apresentam uma tira extremamente fina de metal (geralmente alumínio) suspensa em um forte campo magnético. Neste texto, não vou entrar em detalhes sobre os microfones de fita, pois, apesar de serem os que mais reproduzem um som próximo ao original, são usados de forma bem específica e seria interessante um outro espaço para este fim. 

 

 

  • Condensador

Um microfone condensador também contém um diafragma, que geralmente é feito de um metal muito fino e outra peça de metal chamada placa traseira. Eletricidade é aplicada a ambos criando uma carga estática entre eles. Assim que uma onda sonora externa (1) atinge o diafragma (2), ele vibra e produz uma pequena corrente elétrica. A estrutura do microfone condensador, apresenta ainda a placa traseira (backplate) (3), bateria (4), resistor (5) e sua saída gera o som (6).

 

Fonte: microfone condensador -  wiki commons CC3.0

 

De acordo com o fluxo apresentado, este tipo de microfone exige alimentação externa entre 8 e 48 volts. Geralmente, ele tem um local para bateria interna ou utiliza o Phantom Power.

 

O Phantom Power é uma tensão DC (tipicamente +48 V) que fornece energia para os componentes ativos dentro de certos microfones ativos. Esta energia elétrica é transmitida através dos mesmos cabos de áudio que transportam o sinal de áudio. O termo "phantom" (fantasma) vem do fato de que não há cabo de energia.

 

Outra questão quando falamos em microfones condensadores é o “tamanho” do diafragma ou membrana. De acordo com uma matéria da Neumann, a estrutura dos microfones já reflete o tamanho do diafragma. Como falamos, o som que ouvimos resulta da vibração chega ao diafragma que se move em contato com o som, transformando energia cinética em energia elétrica. Sendo o diafragma o receptor da pressão sonora, seu tamanho implicará em todo o restante do fluxo e no resultado final. Podemos citar a sensitividade do microfone, o nível de ruído e o alcance de frequência. Quanto maior o diafragma, maior a mobilidade, a sensibilidade a qualquer alteração de pressão.

 

Os microfones de diafragma grande possuem uma ótima resposta de baixa frequência, tornando o som extremamente agradável. São microfones que ajudam muito na performance de palestrantes, podcasters e cantores em estúdios com bom isolamento. E são também muito utilizados em situações em que há necessidade de obter mais vida de instrumentos solo.

 

Os microfones condensadores de diafragma pequeno são tecnicamente superiores, possuem ótima resposta de transientes e uma resposta estendida a frequências altas, suportando maior pressão. São muito utilizados quando se quer captar o som natural sem nenhum tipo de nuance adicional, ou seja, produzem um resultado neutro e podem ser utilizados com qualquer fonte. Podem produzir maior ruído.

 

Não estou explorando aqui os padrões polares para não me estender. Estes se referem à sensibilidade de qualquer microfone a sons que chegam de ângulos diferentes, ao seu eixo central. Descreve a direcionalidade inerente de um microfone.

 

 

Qual escolher?

                                     

Os microfones dinâmicos são aqueles que, no momento atual, servem como coringa. Se comportam bem em ambientes sem isolamento acústico ou nas aplicações onde você quer isolar os ruídos externos. Geralmente, possuem preços mais acessíveis, mas existem linhas mais caras também. Praticamente, todos os microfones dinâmicos possuem o padrão de resposta polar cardioide. Ou seja, filtra os sons de trás, isolando a fonte sonora na gravação. Desta forma, são muito utilizados em palcos.

 

Exemplos: Shure SM58, Electrovoice RE-20, Shure SM7B, Sennheiser MD421 II, Audio-technica ATR2100, Behringer Ultravoice XM8500, SM58, SM57, entre tantos outros.

 

Os microfones condensadores são mais utilizados em estúdios. São muito mais sensíveis com uma resposta de frequência maior, o que o torna mais fiel em sua captação, porém, são mais utilizados em ambientes com isolamento adequado. 

 

Exemplos: Neumann U87, Audio-Technica AT4040, AKG C414, entre outros

 

Ao escolher microfones, trata-se de escolher a ferramenta certa para o trabalho. Para gravação de vocais atualmente uso os seguintes microfones em várias situações de gravações de vocais: Neumann U87ai, Electrovoice RE 20, Audio-technica AT2020 USB+, Rode M2, TC Helicon MP76 (par perfeito com o TC Helicon Voicelive e toda a linha), Shure SM58, Shure Beta. Os microfones que já usei e ainda quero comprar para essa mesma finalidade são: Sennheiser MD421, AKG C414, AKG C12, Shure SM7b e Shure SM57.

 

 

Lembrando que hoje há uma infinidade de marcas e possibilidades de ótima qualidade e que também não falamos aqui dos microfones USB diretamente.  Novamente, não existe um microfone melhor ou perfeito, existe o microfone que se adeque ao seu uso.

 

 

A escolha do microfone adequado
Vera Medina

COMENTÁRIOS

Depois de um ano de empresa 3M pude fazer o bendito carnê e comprei uma vitrolinha (em 12X) e na mesma hora levei Pirão, Quatro (Que era o novo), Es´pelho Cristalino e Vivo do Alceu, fiquei um ano ouvindo e pirando sem parar, depois vi o show do Quatro em Campinas. Considero o mais equilibrado de todos, sendo que sempre pendendo pro rural e nem tanto pro urbano, um disco atemporal podendo ser ouvido em qualquer situação, pois levanta o astral mesmo. No momento, Chuva no campo é ''a favorita'', mas depois passa e vem outra, igualzinho à aquela banda de Liverpool, manja????

- Ademilson Carlos de Sá

B R A V O!!! Paulo Farat não esqueça: “Afina isso aí moleque!” Hahahaha Tremendo profissional, sou teu fã, Grande abraço!

- Dudu Portes

Show é sensacional. Mas a s sensação intimista de parecer que a live é um show particular, dentro da sua casa, do seu quarto, é impagável. Parabéns família, incluindo Guarabyra e Tommy...

- Ricardo Amatucci

Paulo Farat vai esta nas lives do Papo Na Web a partir de amanha apresentando "Os Albuns Que Marcaram As Nossas Vidas"" Não percam, www.facebook.com/depaponaweb todas as terças-feiras as 20:00 horas

- Carlos Ronconi

Caro Luiz Carlos Sá, as canções que vocês fazem são maravilhosas, sinto a energia de cada uma. Tornei-me um admirador do trabalho de vocês no final dos anos 1970 com o LP Quatro e a partir de então saí procurando os discos de vocês, paguei um preço extorsivo pelo vendedor, os LP's "Casaco Marrom" do Guarabyra e "Passado, Presente e Futuro" (primeiro do Trio), mas valeu. tenho todos em LP's e CD's até o Antenas, depois desse só em CD's e o DVD "Outra Vez Na Estrada" exceto o mais recente "Cinamomo" mas em breve estarei com ele para curtir. A última vez que vi um show da dupla (nunca vi o trio em palco), foi no Recife no dia 16/04/2016 na Caixa Cultural, vi as duas apresentações. Levei dois bolos de rolo pra vocês, mas o Guarabyra não estava. Quero registrar que tenho até o LP "Vamos Por Aí", todos autografados, que foi num show feito no Teatro do Parque, as apresentações seriam nos 14,15 e 16/10/1992 mas o Guarabyra perdeu o voo e só foram dois dias, no dia do seu aniversário e outro no dia 16. Inesquecível. Agora estou lendo essas crônicas maravilhosas. Grande abraço forte e fraterno e muita saúde e sucesso pra vocês, sempre. P.S. O meu perfil no Facebook é Xavier de Brito e estou lá como Super Fã.

- Edison Xavier de Brito

Me lembro de ter lido algumas destas crônicas dos discos quando voce as publicou no Facebook em 2013, Sá. Muito emocionante reler e me emocionar de novo. Voces foram trilha sonora importantíssima dos últimos anos da minha vida. Sou de 1986, portanto de uma geração mais nova que escuta voces. Gratidão e vida longa a voces!

- Luiz Fernando Lopes

Salve!!! Que maravilha conhecer essas histórias de discos que fazem parte da minha vida. Parabéns `à Backstage e ao Sá! E, claro, esperando a crônica do Pirão. Esse disco me acompanha há mais de quarenta anos! Minhas filhas escutaram desde bebês e minha neta, que vai nascer agora em setembro, vai aprender a cantar todas as músicas!

- Maurício Cruz

com esse time de referências musicais (exatamente as minhas) mais o seu talento, não tem como não fazer música boa!!!! parabéns!!! com uma abraço de um fã que ouve seus discos desde essa época!

- nico figueiredo

Boa noite amigo, gostei muito das suas explicações, pois trabalho com mix gosto muito mesmo e assistindo você falando disso tudo gostei muito um abraço.

- Rubens Miranda Rodrigues

Obrigado Sá, obrigado Backstage, adoro essas histórias, muito bom, gostaria de ouvir histórias sobre as letras tbém, abç.

- Robson Marcelo ( Robinho de Guariba SP )

Esperando ansioso o Pirão de Peixe e o 4. Meu primeiro S&G

- Jeferson

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Escreva sua opinião abaixo*