Inteligibilidade da mensagem

Pedro Duboc
redacao@backstage.com.br
Fotos: Divulgação

 

 

Se estivermos falando de áudio nas igrejas, devemos falar da inteligibilidade da mensagem, afinal a mensagem é o motivo principal da existência da Igreja, a propagação da mensagem é a missão de qualquer igreja constituída. 
 

O principal propósito de um sistema de sonorização em um templo é entregar uma mensagem que seja entendida pelo ouvinte, porém um grande número de sistemas falha no objetivo de entregar uma mensagem clara. Muitos motivos podem levar a essa falha, entre eles, uma má relação sinal/ruído, uma acústica deficiente, uma escolha errada no local de instalação das caixas de som, entre vários outros.


Embora a qualidade sonora e a inteligibilidade estejam atreladas, não é a mesma coisa, assim como a audibilidade e a clareza da mesma forma não são a mesma coisa. Não é porque você consegue ouvir um som que ele é inteligível. Audibilidade está relacionada à habilidade do ouvinte de fisicamente estar apto a ouvir o som, enquanto clareza descreve a habilidade de detectar a estrutura de um som. No caso da fala, isso quer dizer conseguir ouvir claramente as consoantes e vogais e conseqüentemente identificar as palavras e frases ditas e ter uma compreensão de um discurso inteiro, ou seja, a mensagem.

 

Vamos entender um pouco melhor isso e olhar de perto a natureza da fala.
O sinal da fala humana envolve as dimensões de pressão sonora (SPL), tempo e frequência. A forma de onda de uma palavra é bastante complexa com conteúdo de amplitudes e frequências que variam praticamente de milissegundo a milissegundo. Por exemplo, o som das consoantes normalmente duram mais ou menos 65ms e as vogais 100ms. A duração média de uma sílaba é de 300 - 400ms enquanto uma palavra completa dura mais ou menos entre 600 - 900ms dependendo da complexidade da palavra e tempo de fala. Quando a fala é transmitida em uma sala reverberante, as reflexões locais e a própria reverberação distorcem a forma de onda da fala, ofuscando a clareza no decorrer do tempo.

 

A cauda reverberante de uma sílaba ou de uma palavra pode facilmente se juntar ao início da próxima palavra mascarando-a e dando assim à palavra uma compreensão diferente ou até mesmo perdendo por completo a sua compreensão, isso resulta na redução do potencial de clareza e inteligibilidade.
Da mesma forma, se o ruído de fundo causado, por exemplo, por um ar condicionado, o barulho da rua ou uma conversa paralela for consideravelmente alto, e se a relação sinal/ruído for muito baixa, então novamente teremos problemas de compreensão do discurso, pois partes das palavras e das sílabas se perderão e a inteligibilidade será deteriorada.

 

Existem muitos outros fatores que podem afetar diretamente o potencial da inteligibilidade e a percepção da clareza do discurso, os mais importantes serão vistos aqui em três partes a partir desta edição da coluna Som nas Igrejas.
Podemos citar como fatores que afetam a inteligibilidade da mensagem:
1. Capacidade de resposta de frequência de um sistema de sonorização.
2. Relação sinal/ruído e intensidade.
3. Tempo de reverberação dos templos.
4. Dimensões dos templos (volume, forma e tamanho).
5. Distância entre as caixas de som e os ouvintes.
6. Diretividade das caixas de som.
7. O número de caixas de som no espaço.
8. Distorções no sistema (harmônica e intermodulação).
9.   Equalização do sistema.
10. Uniformidade de cobertura.
11.  Presença de reflexões primárias.
12. Técnica de utilização de microfones.

 

Entre os principais fatores que afetam a inteligibilidade de um sistema de sonorização, veremos em primeiro lugar a capacidade de resposta de frequência de um sistema de som. 
Vamos levar em consideração alguns dados importantes:
A fala cobre um range de frequências entre 100Hz e 8kHz, embora hajam harmônicos mais altos, até 12kHz que afetam a qualidade de som de modo geral.

 

A maior consideração de energia ocorre entre 200Hz e 600Hz, ou seja, na banda de oitava de 250Hz a 500Hz, e perde energia rapidamente, aproximadamente 6dB, por oitavas nas frequências mais altas.
As frequências mais baixas correspondem ao som das vogais, enquanto as consoantes correspondem às frequências mais altas e mais fracas.

 

A contribuição para inteligibilidade da fala não segue este padrão, mas o inverso, ou seja, a inteligibilidade se concentra entre as bandas de 2kHz e 4kHz, sua contribuição é de aproximadamente 30% e 25%, respectivamente, enquanto a oitava de 1kHz contribui cerca de 20% para inteligibilidade. Essas três bandas são responsáveis por mais de 75% de conteúdo do espectro de inteligibilidade.

Embora o range de 300Hz a 3kHz seja adequado para a inteligibilidade nos telefones, em ambientes  como as igrejas um range muito maior nos sistemas de som é necessário, pois há uma interação acústica e na maior parte dos casos não existe nenhuma correção acústica, fazendo com que a interação do sistema com a sala cause perda de inteligibilidade.

 

Muitos sistemas de som de qualidade são limitados na inteligibilidade por microfones baratos e de pouca qualidade. Mesmo em sistemas de baixa qualidade como nas caixas de som de anúncios em portas de comércio, onde a resposta de frequência e a largura de banda é limitadíssima, pode-se notar claramente a diferença entre um bom microfone e um microfone de baixo custo e pouca qualidade, imagine então em um sistema de sonorização completo e de qualidade.

 

Como sempre dizem o Aldo Linares e o meu amigo Matheus Madeira, “você ouve o que você paga” e, em se tratando de áudio para igrejas, se não houver uma mentalidade de excelência no que diz respeito aos investimentos para melhoria de qualidade dos equipamentos, em correções acústicas dos templos e de treinamento para os responsáveis pelo sistema de som e operação nas reuniões, de certa forma a igreja falha em sua missão, de comunicar a mensagem, pois certamente a inteligibilidade será afetada, e uma mensagem não tem efeito se não é compreendida.

 

Seguiremos na próxima edição com este tema de importância fundamental para comunicação da mensagem nas igrejas, até a próxima!

 

 

Please reload

Destaque

Rio das Ostras Jazz & Blues Festival 2020

February 7, 2020

1/10
Please reload

Posts recentes

December 31, 2019

December 24, 2019

December 19, 2019

Please reload

Nossas Redes
  • Facebook Classic
  • Twitter Classic
  • Instagram
SOBRE

REVISTA BACKSTAGE

 

A Revista Backstage é um publicação da Editora H. Sheldon e pode ser adquirida online através do site da editora, por assintura ou avulsa.

 

ANUNCIE

IMPRESSA OU DIGITAL

 

Clique aqui e se informe sobre as condições de anúncios em nossa revista ou site.

CONTATO
  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • Instagram

Todos Direitos Reservados

Rua Iriquitiá, 392 - Taquara

Rio de Janeiro - RJ - CEP:22.730-150 

Telefones: (21) 3627-7945 /  2440-4549

E-mail: adm@backstage.com.br

© 2017 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS • REVISTA BACKSTAGE