Anuncio topo
SUMÁRIO / Sumário

LabSonica Academy: capacitação profissional para o mercado musical

15/06/2022 - 13:47h
Atualizado em 15/06/2022 - 16:35h



Reportagem: Miguel Sá | Fotos: Divulgação / LabSonica

 

Entre os dias 03 de maio e 07 de junho, o instituto de Artes e Técnicas em Comunicação (IATEC) e Oi Futuro se reuniram em projeto de capacitação profissional para o mercado musical. O LabSonica Academy aconteceu com o objetivo de reciclar agentes, artistas, produtores e técnicos da cadeia da música nas áreas de criação, produção, divulgação e distribuição musical. O projeto - que faz parte do Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados - ofereceu, gratuitamente no formato virtual, quatro workshops e quatro cursos livres de formação.

 

 

Direcionado para inovação e tecnologia, o evento teve a participação de profissionais do mercado para oferecer, no formato virtual, quatro workshops e quatro cursos livres de formação. “Temos um produto de muita qualidade, que é a formação de profissionais para o mercado de entretenimento. O LabSonica é este espaço incrível, com estúdio para a sonorização e áudio visual, que o Oi Futuro criou. Nós entramos em um edital público do Oi Futuro e fomos um dos projetos contemplados para dentro do LabSonica”, explica Elsa Costa, a coordenadora geral do projeto.

 

 

A ideia dos cursos à distância já vinha sendo acalentada pelo Iatec há algum tempo, a partir do projeto de Luiz Helênio Santos. A pandemia do coronavírus acabou acelerando a construção destes cursos. Os workshops e cursos no LabSonica Academy são como uma porta de entrada aos cursos que acontecem no Iatec. Os que entraram no projeto são ligados às áreas de sonorização e gestão musical. “Trouxemos profissionais que são realmente especialistas no mercado e que temos a grata satisfação de ter trabalhando conosco. Os cursos aqui tiveram 21 horas. Obviamente é menos que o tempo dos cursos no Iatec. Na área de sonorização, por exemplo, quem faz o curso de produção musical faz um curso de 138 horas. O curso de produção executiva está em torno de 84 horas”, detalha Elsa.

 

 


Transmissão do workshop com Raphael Pulga e Elsa Costa

 

 

Ensino durante a pandemia e na retomada

Os cursos no LabSonica foram o resultado também dos aperfeiçoamentos e adaptações aplicados aos cursos do Iatec durante a pandemia. “O fato é que fomos pegos de surpresa. Em 2019 estávamos como tinha sido nos últimos 22 anos, com os cursos presenciais e nossa grade toda normal. De repente íamos ter 40 dias de isolamento, com uma situação que era temporária, mas que depois foi se tornando uma realidade. Nós tivemos que trocar a roda do carro com ele andando. Como faríamos? Colocaríamos tudo online? Em matérias de sonorização e iluminação há um momento que tem que colocar a mão na massa. Fizemos parcerias com estúdios e casas de show e fizemos tudo com bastante cuidado na parte sanitária seguindo as recomendações da Anvisa e da prefeitura”.

 

 

Já em cursos como Produção Executiva, de caráter naturalmente mais teóricos, Elsa aponta que é possível fazer um curso inteiramente online. “Ainda que se tenha perdido as visitas técnicas às casas de espetáculo e shows, é possível fazer. Mas ao invés de perguntar o porquê eu pergunto: para que serviu? Para abrir um leque de possibilidades. Antes tínhamos apenas um formato, agora temos também o online. Fomos encontrando a dinâmica e estamos ficando bons nisso. Fizemos treinamentos para a Firjan e para a Globo de Recife que provam que estamos entregando a mesma qualidade do presencial. Não vamos abandonar o online”, indica Elsa Costa.

 

 

Iatec Lab Sonica Academy: os workshops e cursos

Os quatro workshops do IATEC, que aconteceram nos dias 03 e 04 de maio foram  “O que é produção musical”, com Fernando Moura, Torcuato Mariano e Ezio Filho; “Distribuição digital e licenciamento”, com Felippe Llerena, “Técnicas de gravação: em busca do som ideal”, com Renato Muñoz, Henrique Vilhena e Enrico De Paoli, e “Como vender e produzir bandas e artistas da música” com Raphael Pulga e Ricardo Chantilly.

 

 


Raphael Pulga e Elsa Costa

 

 

Raphael Pulga é produtor do Lulu Santos, além de diversos trabalhos com outros artistas, “A ideia foi falar um pouco de como vender e produzir bandas, mas não só dos artistas grandes, já consolidados no mercado e com uma gama de shows, mas também dos artistas pequenos que tem que se espelhar em algum outro artista para começar. E como faz para dar o primeiro passo?  Como hoje, com a internet, se faz a divulgação? Falamos que, basicamente, tem que ter um material organizado e legal para vender e mostrar. Não tem exatamente um caminho certo a seguir”, resume Raphael.

 

 

Os cursos do LabSonica, estes com a duração de uma semana cada, tiveram como tema  “Técnicas em Gravação com prática em estúdio”, com Renato Muñoz, Ezio filho e Wagner Pedretti; “Empresariamento / Gestão artística 360 graus” com Anita Carvalho, Aline Paes, Afonso Carvalho e Rafael Bertoli; “Técnicas Básicas para Produção de Lives Musicais”, com Diego Rezende e “Assessoria de Imprensa e Mídias Digitais”, com Kélita Myra.

 

 


Kélita Myra durante a transmissão da aula

 

Kélita, que tem uma longa trajetória como assessora de imprensa e atualmente está com o projeto Fogo No Paiol Music Hub, deu os caminhos para o artista construir e firmar a imagem. “Falamos sobre o posicionamento do artista - quem ele é? -  para depois detalhar formas de criar sua imagem: como que ele vai passar o que ele descobriu a respeito dele mesmo? O público recebe a informação muito baseada em coisas que eles já conhecem do inconsciente coletivo e o nosso desafio é achar o diferencial do artista dentro disso. Tivemos uma aula sobre esse conhecimento de arquétipos. Depois fizemos um mergulho interno dentro do universo da psicologia e, aí sim, entraram as mídias sociais: Como vão ser seus vídeos? Que cor, que tamanho, que linguagem? Como criar editorias da sua própria rede? Também convidei o Rodrigo Azevedo, que é especialista em inteligência de mídia, para falar sobre como contextualizar os anúncios”, detalha Kélita. No fechamento, o curso teve conteúdo sobre a comunicação nas plataformas de streaming, que, de acordo com Kelita, assumiram também um caráter de redes sociais.

 

 

Para Kélita, hoje em dia é mais fácil o artista chegar aos fãs em potencial de sua música, assim como é mais fácil para os consumidores de música chegarem aos artistas que se encaixam em seu gosto musical. “Quem gostava de MPB, ouvia os artistas que eram apresentados pela grande mídia. Hoje, a grande mídia continua tendo a sua força, mas não precisa dela para poder curtir o som de um artista. Quem realmente gosta de música pode buscar o que gosta de uma forma fácil, e quem faz música pode chegar no fã de uma forma mais fácil também. Você vende alguma coisa que alguém quer comprar, só precisa se encontrar para ‘dar match’. Antes era caro botar um anúncio no jornal. Isso era inacessível. Hoje, com R$ 100,00 bem usados, você já tem uma diferença no retorno. Não é fácil, mas há caminhos e nós estamos aqui para ajudar a facilitar esses caminhos”, aponta a profissional de comunicação.

 

 

O evento foi promovido por Oi Futuro, Iatec e Governo do Estado do Rio deJaneiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

 

 

 

 

  • COMPARTILHE
voltar

COMENTÁRIOS

Nenhum cadastrado no momento

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Escreva sua opinião abaixo*