Anuncio topo
REPORTAGENS / Matérias Completas

Entrevista: Dave Weckl

29/04/2021 - 08:07h
Atualizado em 30/04/2021 - 13:49h

 

Por Marcio Chagas e Daniel Figueiredo. Fotos: Brendan Joyce.

 

Formado em Jazz pela universidade de Bridgeport, no estado de Connectcut, nos EUA, Dave Weckl se tornou uma das referências da bateria, tanto pelo trabalho na Elektric Band de Chick Corea como acompanhando artistas pop e pela carreira solo. O começo foi na cena fusion de Nova Iorque no começo dos anos 80. Daí para acompanhar artistas de alto nível da época, como Paul Simon, Madonna e George Benson, foi um caminho natural, ainda que com muito trabalho. Desde 1990, o músico já lançou sete álbuns solo, três deles com seu próprio nome, e os outros quatro com sua Dave Weckl Band. Dave também produziu uma série popular de videoaulas para bateristas.

 

- Por que você escolheu a bateria como seu instrumento?

Eu não.Ela que me escolheu...(risos)

 

 

- Quais bateristas mais te influenciaram?

Muitos, realmente. Mas se eu listar os poucos mais importantes: Jack Sperling, Buddy Rich, Steve Gadd, Elvin Jones e Jack DeJohnette. E provavelmente Hal Blaine de todas as coisas pop que ouvi.

 

 

- Você começou sua carreira profissional em Nova York tocando com a banda Nite Sprite. Quais são as suas memórias dessa época?

Tempos lindos, mas tempos muito difíceis. Vida de faculdade, sem dinheiro, trabalho duro para fazer os shows, muitas e muitas horas de estudo ... A banda foi um veículo fantástico para crescer. Todos nós estávamos aprendendo muito durante a existência do grupo. Éramos crianças, mas éramos muito bons!

 

 

- Você começou a trabalhar no início dos anos 80 como sideman, participando de gravações, incluindo The Honeydrippers (o projeto de Robert Plant) e Paul Simon. Como era trabalhar como músico de estúdio naquela época?

Foi muito emocionante! Fiquei muito grato por estar em posição de começar a fazer esse tipo de trabalho. É por isso que me mudei para perto de Nova York, para ser como os músicos que ouvia nos discos gravados por lá. Um sonho tornado em realidade. Na época ainda havia muito trabalho, muitas sessões por semana, incluindo músicas para TV e Rádio para comerciais, trilhas sonoras de filmes e discos. Muitos discos!

 

 

- Como você foi convidado para participar da primeira versão da Elektric Band de Chick Corea?

Chick ouviu meu nome de pessoas como Michael Brecker e Tanya Maria. Ele veio me ver tocar com Bill Connors no clube em Nova York que já não existe mais: o Bottom Line. Essa foi a minha audição. Ele me convidou para entrar em sua nova banda ‘Elektric’ depois desse show. Foi no outono de 1984.

 

 

- Você também se juntou à banda acústica ao lado de Corea e John Patitucci, formando um dos maiores trios dos anos 80 e 90. Além da óbvia diferença entre a instrumentação acústica e elétrica, também houve uma redução no número de integrantes da banda. Você se sente mais confortável tocando em um trio?

Geralmente, não. Pelo menos na época. Eu gostava mais de tocar música mais pesada e alta, com uma vibração de rock - sim - fusion! Eu nunca entendi como tocar apropriadamente em um trio até que fizemos shows de reunião recentemente. Agora posso dizer que gosto muito. Eu sei melhor agora como tocar mais suave, como tocar em uma situação de trio. É muito mais agradável para mim e muito mais fácil para o corpo e para os ouvidos. Mas eu ainda amo a diversidade de tocar em ambas as situações.

 

 

 

- Como foi se reunir com a Elektric Band em 2017?

Como você pode imaginar, foi fantástico! E na verdade foi por minha causa! Eu estava ouvindo algumas gravações antigas da Elektric Band com minha esposa, dirigindo pela Toscana, na Itália, logo depois de nos casarmos em 2015, e a banda soava tão bem... Escrevi um e-mail para Chick naquela noite, enviando uma cópia para todos, dizendo que deveríamos fazer aquilo de novo logo. E nós fizemos. Chick começou a planejar turnês ali mesmo.

 

 

- Recentemente perdemos Chick Corea, um dos maiores músicos de jazz de todos os tempos. Você tem planos de prestar algum tipo de homenagem musical ao legado dele?

Sim. Perder Chick foi um golpe devastador para nós e para todo o mundo da música. Nós (a banda E) fizemos uma discussão 'on line' em homenagem a ele. Só nós. Então foi muito especial. Eu acredito que ainda está lá em algum lugar para ver. É difícil dizer o que faremos agora, é muito cedo para pensar em tocar com os caras da banda, sem o Maestro. Tenho certeza de que no futuro haverá um concerto de homenagem a ele, no qual provavelmente estaríamos incluídos. Mas, uma turnê completa é algo que eu pessoalmente nunca consideraria.

 

 

- Você tocou com alguns dos maiores nomes do jazz como Arturo Sandoval, Michel Camilo, Chuck Loeb e Dave Gruisin. Como você adapta seu estilo às diferentes variações de jazz e fusion?

Eu sempre tentei, e continuo agora, apoiar a música, o compositor e os músicos com quem estou tocando, com o melhor de minha capacidade. Depois disso, tudo é espontâneo. Essa é a beleza do Jazz em qualquer forma.

 

 

- Você foi um dos muitos alunos famosos de Freddie Gruber nos anos 90. Como ele influenciou sua abordagem técnica?

Freddie me ajudou a entender como as leis da física desempenham um papel em tocar bateria. Ele me alertou sobre as diferentes técnicas de pega que permitem que os manípulos trabalhem mais com o músico, ao invés de o músico "fazer tudo". Movimentos, movimentos corporais, kit de ergonomia... Todos desempenharam um papel nos fatores de consciência que ele ensinou e eu adaptei. Eu ensino muitos de seus conceitos na minha escola On Line.

 

 

- Você lançou várias vídeo aulas nos anos 80 e 90, e atualmente ministra cursos online e aulas particulares através do seu site usando o Zoom. Como é o seu trabalho como educador? O que você tenta usar em termos de técnicas de ensino?

Sim, o aspecto do ensino on-line do curso explodiu para nós, tanto para ter renda quanto, é claro, para encontrar uma maneira de continuar a ensinar individualmente. Minha escola, que é um serviço de assinatura, tem mais de 50 horas de material e fica acessível quando (o aluno)é cadastrado. Eu também ensino “um a um” com o Zoom, sim. Todas essas informações e como se inscrever estão no meu site, daveweckl.com.

 

 

Você foi incluído no Hall da Fama da revista Modern Drummer em 2000. Em sua opinião, qual foi sua maior contribuição para o instrumento?

Eu não sei ... essas coisas são decididas pelos outros, então realmente não cabe a mim dizer. Nunca fui o tipo de pessoa que 'fala' sobre o que posso fazer. Eu me sinto, claro, honrado em ser considerado para qualquer menção positiva.

 

 

- Como surgiu seu projeto ao lado de Jay Oliver e a criação do álbum Convergence?

Jay e eu voltamos à nossa adolescência, quando nos conhecemos e crescemos tocando, escrevendo e gravando juntos em St. Louis. Meus primeiros projetos, tanto de ensino quanto de gravação, foram com ele como parceiro. No início dos anos 2000, seguimos direções diferentes e não tínhamos trabalhado muito juntos depois disso. Então nós dois pensamos que seria divertido fazer um projeto de reunião, e foi assim que Convergence surgiu.

 

 

- Seu primeiro álbum solo, Master Plan, foi lançado em 1990. Como surgiu a oportunidade de gravá-lo? Você teve alguma dificuldade em sua primeira experiência como artista solo?

Ao ingressar na Chick’s Elektric Band em meados dos anos 80, e entrar na gravadora GRP, eles estavam oferecendo a todos nós contratos de gravação da banda. Atrasei um pouco o meu para primeiro completar e lançar um produto de ensino musical chamado ‘Contemporary Drummer + 1’. Esse produto era praticamente um disco, na verdade, e serviu como um bom cartão de visita para bateristas saberem mais sobre mim e meu jeito de tocar, minha música. Depois que isso foi lançado, era hora de aceitar o acordo com a GRP, completando assim o ‘Plano Diretor’ de todo o conceito, daí o título do álbum.

 

 

- Qual é a principal diferença entre seus álbuns solo e os da Dave Weckl Band?

As gravações solo eram mais discos de ‘projeto’, sem banda real, músicos, ou instrumentação pré-planejada. Nós (Jay Oliver e eu) escrevemiamos cada música independentemente um do outro e pegavamos os músicos mais tarde. Nunca houve um plano para fazer uma turnê com a música. Os discos da BAND foram exatamente o oposto. A música foi escrita desde o início com uma banda em mente e, às vezes, escrita COM a banda, para tocar o material ao vivo na turnê.

 

 

- Você está lançando um novo álbum ao vivo, qual a diferença entre lançar um álbum ao vivo e um álbum de estúdio?

Bem, obviamente há um público ao vivo, geralmente não no estúdio, embora Snarky Puppy e outros tenham mudado essa ideia também! Na verdade, fizemos isso com Chick com o álbum ‘Alive’ Acoustic Band no início dos anos 90. Essa é realmente a principal diferença, é que existe aquele aspecto de "energia do desempenho" que simplesmente não é a mesma em um ambiente de estúdio. Há mais um esforço consciente para "acertar" ao vivo, porque embora seja possível consertar algumas coisas mais tarde, é claro que não há isolamento em uma situação ao vivo que geralmente existe no estúdio. Eu pessoalmente sempre prefiro uma gravação ao vivo.

 

 

- Seu novo álbum foi gravado em sua cidade natal, St. Louis. Há um sabor especial que vem de tocar e gravar em sua cidade natal?

Eu penso que sim. Sei que para mim foi muito especial, pois era a primeira vez em muito tempo que voltava para tocar lá. Foi a primeira vez que minha esposa pode ver meus amigos e familiares lá e ver onde eu cresci. Então foi muito bom e, sim, muito especial.

 

 

- Você é apaixonado por automóveis e tem até um canal no YouTube onde posta vídeos sobre o assunto, como surgiu essa ideia?

Sim, adoro carros velozes, que “envolvam” o motorista. Eu sou um ávido fã de F1 e dirigi meu próprio carro em uma pista de corrida por anos. Até corri em uma série Spec por um ano. Então é algo que eu gosto de fazer, não tanto a competição de carro contra carro, mas é um hobby muito caro, sem recompensas reais. Mas eu gosto de correr contra o relógio, estudar a ciência de dirigir em uma pista, tentando melhorar meu tempo e minhas próprias habilidades para dirigir com controle total do carro na pista.

 

 

- A atual pandemia redefiniu o trabalho de artistas e músicos. Como você se adaptou ao cenário atual e quais são seus planos para o futuro?

Sim, realmente colocou o mundo inteiro em um lugar muito diferente do que a maioria de nós tem idade suficiente para lembrar ou ter passado por tempos realmente difíceis. Felizmente, para a maioria dos músicos não é tão ruim quanto para os outros, porque estamos acostumados a estar sozinhos e praticar. Minha adaptação foi, como já descrevi, principalmente com o ensino online. Eu também continuo gravando músicas para pessoas, mixando e produzindo projetos, incluindo um novo álbum do Live Chick Corea Elektric Band! Mas não poder sair e tocar ao vivo é muito difícil. Tirou uma parte de nossa vida que antes era tão natural e isso é doloroso. Espero que possamos voltar a algum tipo de situação na qual possamos fazer uma turnê e tocar para um público ao vivo. Eu pessoalmente estou ansioso por isso!

 

 

Para saber mais, acesse http://www.daveweckl.com

 

 

 

  • COMPARTILHE
voltar

COMENTÁRIOS

Nenhum cadastrado no momento

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Escreva sua opinião abaixo*